Massa pronta

massificacaoA experiência de vida nos cobra, a cada segundo, respostas diante das mais diversas demandas. Algumas dessas demandas se apresentam realmente como necessidades, outras, são explicitamente induzidas, mas seja qual for, ambas precisam de uma resposta e essa posição pode caracterizar a diferença.

A sociedade atual, com todo o seu poder de massificação, através de uma manobra de atravessamento alienante, uniformiza o sujeito e impõe itens de consumo, influenciando desde sua alimentação até suas preferências tecnológicas, garantindo ao sujeito um lugar submissivo de conforto.

Enquanto mestres e discípulos não somente da arte marcial, mas também da arte da sobrevivência em sociedade sem perda de propriedade, espera-se um compromisso com o desenvolvimento, seja ele pessoal ou coletivo, de modo que toda e qualquer forma de alienação, massificação, uniformização, deve ser contornada em harmonia com nossa individualidade e, principalmente, com a individualidade daqueles que confiam a própria tutela.

Um sujeito ao ser enquadrado em um padrão perde a propriedade de si e recebe uma mordaça, atrasando não só seu desenvolvimento, mas também o desenvolvimento daquilo que se propõe a estudar, pois a prática e realizada de acordo com o espaço que a docência oferece. Se o sujeito desenvolve, a arte expande.

Percebe-se uma infinidade de indivíduos repetidores de uma realidade sutilmente imposta por um estilo de vida medíocre. O indivíduo quando repete, é incapaz de questionar a si próprio, quesito base para uma boa leitura de mundo e para a identificação das armadilhas da repetição e do conforto.

O desconforto,sim, é item indispensável para a existência, mordaça não. Romper com essa lógica é saber se identificar refém de uma mordaça e produzir conhecimento de si e leitura de mundo em cima disso. Do contrário só se produz repetição, obstáculo e uma perecível querela.

Hudson Lacerda

Acerca de Hudson Lacerda

"Não me peça para dizer quem sou e nem para permanecer o mesmo." Michel Foucault.